Mensagens - Catedral da Trindade

  • Oração: Nossa Maneira de Falar com Deus

    Você já ouviu esta expressão: "não há nada que você possa fazer que aumente o amor de Deus por você, e não há nada que você deixe de fazer que diminua o amor dele por você?"

    É isso mesmo. Deus não precisa esperar por nenhuma atitude nossa para nos abençoar. Ele é soberano e pode manifestar sua graça, seu favor ao ser humano quando lhe aprouver.

    Contudo, sabemos que determinadas atitudes agradam a Deus, entre elas destacamos o hábito de orar. Orar é falar com Deus. Ele tem várias maneiras de falar conosco, mas nós só temos uma maneira de falar com Ele: pela oração.

    Algumas pessoas alegam que não oram porque não têm tempo, porque trabalham muito e não conseguem separar um período para orar, ler a Bíblia, meditar sobre os ensinamentos bíblicos e freqüentar a Igreja regularmente.

    Daniel era homem muito ocupado, governava 40 províncias que distavam até 500Km, mas, mesmo assim, buscava a face de Deus, orava três vezes por dia (Daniel 6:10).

    Outras pessoas reclamam: "eu oro, mas Deus não me responde", então, desistem. Daniel não desistiu de orar quando a resposta de Deus não veio com a rapidez que desejava. Ele insistiu (Daniel 10:11-14).

    Amados, Deus sempre responde nossas orações. Nós é que não percebemos a resposta que ele nos dá que pode ser: "sim, não ou espere!". Nossas petições precisam ser feitas em conformidade com a Palavra de Deus e a vontade do Senhor. Não podem ser motivadas por egoísmo ou vingança (Tiago 4:3).

    A oração move o coração de Deus a nosso favor no sentido de abrir a porta do impossível, de dar a resposta, operar o milagre, trazer-nos a vitória. Você crê nisso?

    Sendo assim, em casa, no trabalho, enquanto estiver no trânsito mantenha-se em oração elevando seus pensamentos a Deus. Ele é onisciente, lê seus pensamentos, sonda seu coração e responde suas orações. Lembre-se da exortação de Paulo: "Orai sem cessar". Imploremos a compaixão e misericórdia de Deus sobre nosso país.

    Márcia Garcia

      
  • Predestinados a Vencer

    A experiência humana é sempre alcançada por momentos de alegria e momentos de dor. Qualquer pessoa pode, com certa frequência, testemunhar isso em sua vida. Aliás, os momentos difíceis, de sofrimento e dor, são geralmente mais pedagógicos.

    A Bíblia nos mostra, no capítulo 5, versículos 21 a 43, do Evangelho escrito por São Marcos, uma família vivendo uma experiência de dor. Trata-se da família de Jairo, um dos principais da sinagoga de Cafarnaum.

    Diante da aflição de ter uma filha de doze anos gravemente enferma e desenganada, Jairo se prostrou humildemente aos pés de Jesus e clamou para que o Senhor a curasse. Jesus fez muito mais. Ao chegar na casa de Jairo e encontrar a menina morta, Cristo a ressuscitou. A própria morte foi derrotada.

    Assim como Cristo atendeu à súplica de Jairo e o conduziu a uma grande vitória, o Senhor quer e pode fazer um milagre na sua vida. Você crê? Ele pode restaurar relacionamentos rompidos, pode nos livrar de vícios, pode curar nossas feridas emocionais. Se a sua situação parece desesperadora, clame ao Senhor e esteja certo(a) de que para Cristo nada é impossível.

    Jamais esqueça de que Jesus está no controle de tudo. Ele está no controle da sua história e irá intervir no tempo certo, o tempo perfeito, que é o tempo escolhido por Ele.

    Portanto, quando tudo parecer ir de mal a pior, não perca a esperança, a sua bênção está a caminho. Você, na realidade, é um(a) predestinado(a) a vencer. Jesus lhe garante a vitória. Com Cristo em sua vida, nada pode derrotar você!

    Bispo André Novaes

      
  • Palavra que é Alimento e Direcionamento

    Trazemos em nossos lábios, corações e mentes a gratidão a Deus por saber que Cristo cumpriu definitiva e completamente sua missão redentora para nos dar vida eterna.

    Sabemos que pela graça somos salvos, mediante a fé, e que esta é dom do Pai para nossas vidas (Efésios 2).

    Sabemos que nada - nem profundidade, nem altura, nem angústia, nem tribulação - pode nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (Romanos 8).

    Sabemos que Jesus nos reconciliou em nosso relacionamento com Deus, e que dele somos hoje embaixadores e filhos amados (II Coríntios 5).

    Sabemos que somos livres em Cristo, somos guiados e nutridos pelo Espírito Santo e que o pecado não terá mais domínio sobre nós (Gálatas 5).

    Estas palavras cheias de esperança e vida, escritas pelo Apóstolo Paulo no início da era cristã, passaram séculos e séculos descritas nas Sagradas Escrituras, porém em textos escritos nas línguas originais e eruditas, como o grego e o latim, disponível exclusivamente para estudiosos, teólogos e autoridades da igreja.

    Certamente, um dos principais frutos da Reforma Protestante de 1517 foi a possibilidade das pessoas terem acesso à Bíblia escrita na língua corrente do povo. A Reforma trouxe para cada cristão a maravilhosa oportunidade de conhecer a Palavra de Deus, sua boa nova, promessas e ensino.

    Se hoje temos o privilégio e oportunidade de termos em nossas mãos uma Bíblia para leitura devocional e estudo, devemos isso a homens e mulheres que literalmente deram suas vidas nas lutas pela Reforma e pela propagação das Escrituras ao povo.

    Estudar e ler a Bíblia é alimentar a alma e encontrar direcionamento para vida. É aprofundar a intimidade com Deus e conhecer sua vontade. É ser constantemente orientado, inspirado e nutrido pelo Pai, Filho e Espírito Santo.

    Rev. Rafael Oliveira +

    Reitor do Seminário Teológico

      
  • Brilhar por Jesus

    Certamente você já ouviu que para relacionarmos pacificamente com as pessoas, para vivermos bem devemos usar a técnica do ESS, que significa: “engolir sapo sorrindo!. Será que essa é realmente a mais eficiente técnica, a melhor maneira de se viver? Agir com passividade para estar em consonância com os demais não seria agredir, violar, frustrar e não acarretaria na pessoa passiva um comportamento ansioso e irritadiço por contrariar a si mesmo o tempo todo?

    Por outro lado existe a pessoa assertiva. A assertividade é a capacidade de o sujeito expressar diretamente suas necessidades, posicionamento, preferências e emoções de modo tranquilo, ainda que seu interlocutor não esteja de acordo com aquilo que é dito. O assertivo tem consciência da orientação de Jesus: “seja o teu falar sim, sim; não, não” (Mat 5:37). Ao contrário do sujeito passivo, o assertivo possui um comportamento equilibrado e não deixa passar a oportunidade de posicionar-se. Ele consegue delegar tarefas, desincumbir-se de algumas atribuições que podem ser executadas por outras pessoas para auxiliar aquele que não está desempenhando bem seu papel.

    Mas existe outro tipo de pessoa: a agressiva. No comportamento agressivo o sujeito consegue expressar o que sente, mas, na maioria das vezes, o faz de modo áspero ou irônico, o que frequentemente pode acumular sentimentos de culpa por ter sido indelicado. Uma pessoa agressiva deve desenvolver a sensibilidade de perceber sua falha e reaprender a posicionar-se de modo mais eficaz, menos duro.

    Aqui cabe a pergunta: qual é o seu tipo? Que pessoa você é: passiva, assertiva ou agressiva lembrando que o equilíbrio é sempre a melhor maneira de agir. Em que área você reconhece que precisa desenvolver maior habilidade para que as pessoas vejam Cristo em você e você possa brilhar por Jesus?

    MC Márcia Garcia

      
free vector